AVALIAÇÃO DOS EFEITOS DA CRISE ECONÔMICA-POLÍTICA-ÉTICA NAS FINANÇAS PÚBLICAS DO BRASIL

Autores

  • José Matias-Pereira Universidade de Brasília - UnB

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal avaliar como as variáveis economia, política e corrupção interagiram e contribuíram para a desorganização da economia brasileira, em especial, das finanças públicas. Trata-se de um artigo-ensaio, apoiado nas Teorias das Finanças Públicas, Contabilidade Pública e Neoinstitucional, cujas discussões estão baseadas em três pilares: economia, política e corrupção. As bases de dados de economia foram obtidas nos relatórios das principais instituições multilaterais e nacionais brasileiras, em especial, as variáveis econômicas mais relevantes como: desempenho da economia, nível de emprego e inflação. Os resultados das discussões e análises confirmam que a crise política e a desestruturação da economia, agravado pela corrupção institucionalizada, impactou negativamente na gestão pública. Conclui-se que, as medidas econômicas equivocadas adotadas nos últimos anos, notadamente no período de 2011 a 2016, provocaram a queda no desempenho da economia, e por decorrência, desestruturou as finanças públicas. Essa desorganização das contas públicas impôs a necessidade de um novo regime fiscal para o Brasil.    Palavras-Chave: Economia, política, corrupção, finanças públicas, novo regime fiscal, Brasil. 

Biografia do Autor

José Matias-Pereira, Universidade de Brasília - UnB

Doutorado em Ciências Políticas pelo Universidad Complutense de Madrid, Espanha(2001). Professor-pesquisador associado dos Programas de Pós-graduação em Administração da Universidade de Brasília (PPGA/UnB) e de Contabilidade da UnB/UFPB/UFRN. Ministra as disciplinas Administração Pública Comparada no PPGA-UnB (mestrado e doutorado) e Seminário de Pesquisa I, II e III no Programa de Pós-graduação em Contabilidade - UnB/UFPB/UFRN (doutorado).

Downloads

Publicado

2017-07-12

Edição

Seção

ARTIGOS