O OLHAR DA AGENTE COMUNITÁRIA DE SAÚDE PARA ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE DANOS NO TERRITÓRIO

Autores

  • Amanda Carla Cavalcanti Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Suely Emilia Universidade de Pernambuco (UPE – Campus Garanhuns)

Palavras-chave:

Agente comunitária de saúde; redução de danos; atenção primária à saúde.

Resumo

Este trabalho é direcionado para os depoimentos trazidos por cinco Agentes Comunitárias de Saúdes (ACS) atuantes em um município do Agreste Pernambucano, referentes ao cuidado que se deve ter com os usuários que fazem uso abusivo de substâncias psicoativas no território acompanhado pela Atenção Primária à Saúde (APS), pautado na Redução de Danos (RD). Foi utilizado o método qualitativo e interventivo, baseado nos pressupostos fenomenológicos hermenêuticos e, para colher os depoimentos, lançamos mão da roda de conversação. Os dados demonstraram que as ACS enfrentam dificuldades para utilizar esta abordagem no cotidiano da APS, em decorrência da escassez de educação permanente, pouca intersetorialidade e cuidado humanizado, problemas relacionados a estigmas/preconceitos nos serviços de saúde e adoecimento do trabalhador no cotidiano de trabalho.

Biografia do Autor

Amanda Carla Cavalcanti, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Estudante do 8º período de Serviço Social da UFRN. Estagiária no INSS.

Suely Emilia , Universidade de Pernambuco (UPE – Campus Garanhuns)

Doutora em Psicologia Clínica pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). Professora Adjunta da Universidade de Pernambuco (UPE – Campus Garanhuns). Professora do Programa de Pós-Graduação Saúde e Desenvolvimento Socioambiental (PPGSDS/UPE) – linha de pesquisa Educação, Ambiente e Saúde. Coordena a Residência Multiprofissional em Saúde Mental, o grupo de pesquisa – LACS – Laboratório de Estudos em Ação Clínica e Saúde – UPE/CNPq, e o Serviço de Atenção Psicológica – SAP/UPE. Membro do GT – Prática Psicológica em Instituições: atenção, desconstrução e invenção da ANPEPP

Referências

ALVES, R. B. (coord.) Curso de capacitação em redução de danos para profissionais de saúde de Santa Catarina. Santa Catarina: Secretaria de Saúde de Santa Catarina; Ministério da Saúde, [2018?].

BENJAMIN, W. O Narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 7. ed. São Paulo: Brasiliense 1994. p. 197-221.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 1823, de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Diário Oficial da União. Brasília, DF: Ministério da Saúde, [2012]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt1823_23_08_2012.html. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, [2011]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt3088_23_12_2011_rep.html. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n. 336, de 19 de Fevereiro de 2002. Estabelece que os Centros de Atenção Psicossocial poderão constituir-se nas seguintes modalidades de serviços: CAPS I, CAPS II e CAPS III, definidos por ordem crescente de porte/complexidade e abrangência populacional. Brasília, DF: Ministério da Saúde, [2002]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt0336_19_02_2002.html. Acesso em: 15 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília, DF: Ministério da Saúde, [2017]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. O Humaniza SUS na atenção básica. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2009. (Série B. Textos Básicos de Saúde). Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/bvsms/resource/pt/lil-535513 Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Saúde Mental. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2013. (Cadernos de atenção básica, n. 34). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_34.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, DF: Presidência da República, [2001]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10216.htm. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 8080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1990]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8080.htm. Acesso em: 04 abr. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota Técnica 11/2019. Esclarecimentos sobre as mudanças na Política Nacional de Saúde Mental e nas Diretrizes na Política Nacional sobre Drogas. Coordenação Nacional de Saúde Mental, Álcool e Outras Drogas. 2019. Disponível em:<https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2019/02/11_23_14_123_Nota_Te%CC%81cnica_no.11_2019_Esclarecimentos_sobre_as_mudanc%CC%A7as_da_Politica_de_Sau%CC%81de_Mental.pdf>. Acesso em: 20 mai. 2021.

COSTA, Pedro Henrique Antunes da. “Museu de grandes novidades” análise preliminar da nova-velha política sobre drogas (DECRETO Nº 9.761, DE 11 DE ABRIL DE 2019)

CRITELLI, M. D. Analítica do sentido: uma aproximação e interpretação do real de orientação fenomenológica. São Paulo: EDUC/Brasiliense, 1996.

Disponível em: http://www.revistas.usp.br/smad/article/view/155620/151263. Acesso em: 12 abr. 2020.

CRUZ, Nelson Falcão de Oliveira; Weber and DELGADO. Retrocesso da reforma psiquiátrica: o desmonte da política nacional de saúde mental brasileira de 2016 a 2019. Trab. educ. saúde [online]. 2020, vol.18, n.3, e00285117. Epub July 15, 2020. ISSN 1981-7746. http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sol00285. Acesso em: 20 mai. 2021.

LOCH-NECKEL, G. et al. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 14, supl. 1, p. 1463-1472, out. 2009 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000800019&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000800019.

MACHADO, L. V.; BOARINI, M. L. Políticas sobre drogas no Brasil: a estratégia de redução de danos. Psicologia ciência e Profissão [online], 2013, v. 33, n. 3, p. 580-595, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1414-98932013000300006. Acesso em: 12 abr. 2020.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. DE S. et.al. (orgs.). Pesquisa Social: Teoria, Método e Criatividade. 20. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 9-29.

MORAIS, A. P. P.; TANAKA, O. Y. Apoio matricial em saúde mental: alcances e limites na Atenção Básica. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 161-170, 2012.

QUEIROZ I. S., GOMES A. P., REIS A. L., KNUPP D. F. D., & AQUINO C. R. (2014). Repertórios interpretativos de profissionais da rede de saúde mental e atenção primária de Belo Horizonte sobre uso de drogas. Saúde Debate, 38, 80-93. http://dx.doi.org/10.5935/0103-104.20140005.

O'HARE, P. Redução de danos: alguns princípios e a ação prática. In: MESQUITA, F.; BASTOS, F.I. (Org.). Drogas e Aids: estratégias de redução de danos. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 65-78.

OLIVEIRA, V. M. de O. Política Nacional de Humanização: o que é, como implementar: uma síntese das diretrizes e dispositivos da PNH em perguntas e respostas. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2010. Disponível em: https://repositorio.observatoriodocuidado.org/handle/handle/1827. Acesso em: 12 abr. 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. (org.). Neurociência do uso e da dependência de substâncias psicoativas. São Paulo: Rocca, 2006. Tradução Fábio Corregiari.

PEREZ, K. V.; BOTTEGA, C. G.; MERLO, A.R.C. Análise das políticas de saúde do trabalhador e saúde mental: uma proposta de articulação. Saúde em Debate, [online], v. 41, n. 2, p. 287-298, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-11042017s224. Acesso em: 12 abr. 2020.

RONZANI, T. M; ANDRADE, T. A estigmatização associada ao uso de substâncias como obstáculo à detecção, prevenção e tratamento. In: SENAD. Sistema para Detecção de Uso Abusivo e Dependência de Substâncias Psicoativas, Brasília, DF: SENAD, 2006, p. 25-32. Disponível em: http://aberta.senad.gov.br/medias/original/201704/20170424-094741-001.pdf

Acesso em: 12 abr. 2020.

SANTOS, S. E. de B. “Olha!... arru(a)ção!?...” a ação clínica no viver cotidiano: conversação com a fenomenologia existencial. 2016. Dissertação (Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica) - Universidade Católica de Pernambuco, Recife, 2016.

SANTOS, S. E. de B. A experiência de ser ex-esposa: uma oficina sociopsicodramática como intervenção para problematizar a ação clínica. 2005. Dissertação (Mestrado) - Universidade Católica de Pernambuco: Recife, 2005.

SANTOS, S. E. de B; GOMES, W. da S.; FALCÂO, R. E. A. Para Falar de Formação... a residência multiprofissional em saúde mental, numa comunidade quilombola. In: LIMA, M. M. A; FREITAS, V. L. C. de; SILVA, L. N. da. (orgs.). Aprender ensinando, ensinar aprendendo: diálogos entre formação, saberes e práticas docentes. Curitiba.: CRV, 2018. p. 173-185.

SANTOS, S. E. de B; MENDONÇA, É de S; SILVA, T. V. A. da. Formação Acadêmica: entre a prescrição e a inventividade. In: SILVA, T. R.da; ALENCAR, A. F. de (Orgs.). Educação e desafios do tempo presente. Curitiba: CRV, 2017. p. 82-95.

SOUZA, F. É.; RONZANI, T. M. Desafios às Práticas de Redução de Danos na Atenção Primária à Saúde, Psicologia em Estudo [online], v. 23, p. 59-68, 2018 DOI 10.4025/psicolestud.v23.37383. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/37383. Acesso em: 12 abr. 2020.

THIOLLENT, M. Metodologia da Pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1986.

TURATO, E. R. Tratado da metodologia da pesquisa clínica-qualitativa. 2.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

VANGRELINO, A. et al. Acolhimento de usuários de substâncias psicoativas pela equipe multiprofissional do Centro de Atenção Psicossocial III. SMAD, Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas [online], v. 14, n. 2, p. 65-72, 2018. DOI 10.11606/issn.1806-6976.smad.2018.000321.

ZANNON, C. M. L. da C. Desafios à psicologia na instituição de saúde. Psicologia ciência e Profissão, Brasília , v. 13, n. 1-4, p. 16-21, 1993. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931993000100004&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 30 jun. 2020. DOI https://doi.org/10.1590/S1414-98931993000100004.

Downloads

Publicado

2021-12-09