UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE AS CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS DOS ALUNOS E O CONSUMO DA MERENDA ESCOLAR

Autores

  • Leticia Favaretto Universidade Federal de Santa Maria
  • Kalinca Becker Universidade Federal de Santa Maria

Palavras-chave:

Alimentação Escolar. Modelo Logit. Determinantes Socioeconômicos.

Resumo

O presente estudo tem como objetivo principal estimar e avaliar o efeito de diversos fatores socioeconômicos na probabilidade de um aluno consumir a alimentação escolar oferecida nas escolas públicas. Foi utilizado um modelo de regressão logística (logit) com os dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE), realizada pelo IBGE no ano de 2015. Os principais resultados mostram que a probabilidade de consumo da merenda escolar é maior para meninos do que para as meninas, tende a aumentar com a idade e diminui conforme aumenta o nível socioeconômico familiar. A probabilidade também é maior para os estudantes da área rural e para os estudantes de escolas localizadas nos municípios do interior e menor nas escolas que possuem cantinas. Esses resultados são importantes para planejar e implementar estratégias que incentivem o consumo de alimentação escolar.

Biografia do Autor

Leticia Favaretto, Universidade Federal de Santa Maria

Graduada em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria.

Kalinca Becker, Universidade Federal de Santa Maria

Professora no Departamento de Economia e Relações Internacionais, nos Programas de Pós-Graduação em Administração Pública - PPGAP (acadêmico), Gestão de Organizações Públicas - PPGOP (profissional) e Economia e Desenvolvimento - PPGE&D da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutora (2013) e Mestre (2009) em Economia Aplicada pela Universidade de São Paulo- ESALQ/USP. Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Santa Maria (2007). 

Referências

BARROS, M. S.; FONSECA, V. M.; MEIO, M. D. B. B.; CHAVES, C. R. Excesso de peso entre adolescentes em zona rural e a alimentação escolar oferecida. Cad Saude Colet, v. 21, n. 2, p. 201-208, 2013.

BRASIL. Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009. Dispõe sobre o atendimento da alimentação escolar e do Pro¬grama Dinheiro Direto na Escola aos alunos da educa-ção básica. Diário Oficial da União: 2009; 17 jun.

CAMERON, A. C.; TRIVEDI, P. K. Microeconometrics: methods and applications. Cambridge University Press, 2005.

CARMO, A. S.; DE ALMEIDA, L. M.; DE OLIVEIRA D. M.; DOS SANTOS, L. C. Influence of the Bolsa Família program on nutritional status and food frequency of schoolchildren. Jornal de Pediatria, v. 92, n. 4, p. 381-387, 2016.

CESAR, J. T.; VALENTIM, E. A.; ALMEIDA, C. C. B; SCHIEFERDECKER, M. E. M; SCHMIDT, S. T. Alimentação Escolar no Brasil e Estados Unidos: uma revisão integrativa. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 23, n. 3, p. 991-1007, Mar. 2018.

CESAR, J. T.; TACONELI, C. A.; OSÓRIO, M. M.; SCHMIDT, S. T. Adesão à alimentação escolar e fatores associados em adolescentes de escolas públicas na região Sul do Brasil. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro , v. 25, n. 3, p. 977-988, Mar. 2020.

DANELON, M. S.; FONSECA, M. C. P.; SILVA, M. V. da. Preferências alimentares no ambiente escolar. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 66–84, 2015.

GREENE, W. Econometric analysis. 5. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2003.

HADDAD, M. R. Padrão de consumo alimentar e prática de atividade física entre adolescentes de famílias em diferentes estratos sociais: Revisão sistemática de literatura e análise de dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PeNSE 2009, 2012, 2015). 2018. 114 f. Tese (Doutorado Interunidades em Nutrição Humana Aplicada) – Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, 2018.

HOFFMANN, R. Determinantes do consumo da merenda escolar no Brasil: análise dos dados da PNAD de 2004 e 2006. Segurança Alimentar e Nutricional, Campinas, SP, v. 19, n. 1, p. 33–45, 2015.

INCHLEY, J. et al. Growing up: gender and socioeconomics diferences in Young people’s health and well-being: health behavior in school-aged children (HSBC) study: international report from the 2013/2014 survey. WHO Regional Office for Europe, Copenhagem, 292.p, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar: 2015. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2017-2018 – POF. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

LOCATELLI, N. T.; CANELLA, D. S.; BANDONI, D. H. Fatores associados ao consumo da alimentação escolar por adolescentes no Brasil: resultados da PeNSE 2012. Cad. Saúde Pública, v. 33, n. 4, Maio. 2017.

LOCATELLI, N. T.; CANELLA, D. S.; BANDONI, D. H. Positive influence of school meals on food consumption in Brazil. Nutrition, v. 53, p. 140-144, 2018. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29778951>. Acesso em: 12 ago. 2020.

MADRUGA, S. W. et al. Manutenção dos padrões alimentares da infância à adolescência. Rev. Saúde Pública , São Paulo, v. 46, n. 2, p. 376-386, Abr. 2012.

MARTINS, A. P. B.; MONTEIRO, C. A. Impact of the Bolsa Família program on food availalability of low-income Brazilian families: a quase experimental study. BMC Public Health, v. 16, n. 1, p. 827-838, 2016.

MENEGOTTO, G. Ambiente Obesogênico Escolar e Obesidade em adolescentes brasileiros: teoria e evidências. 2019. 81 p. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

PAIVA, J. B.; FREITAS, M. C. F.; SANTOS, L. A. S. Significados da alimentação escolar segundo alunos atendidos pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar. Cien Saude Colet, v. 21, n. 8, p. 2507-2516, 2016.

SCHMITZ, B. de A. S. et al. A escola promovendo hábitos alimentares saudáveis: uma proposta metodológica de capacitação para educadores e donos de cantina escolar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 24, supl. 2, p. 312-322, 2008.

STURION, G. L.; SILVA, M. V.; OMETTO, A. M. H.; FURTUOSO, M. C. O.; PIPITONE, M. A. P. Fatores condicionantes da adesão dos alunos ao Programa de Alimentação Escolar no Brasil. Rev. Nutr., Campinas, v. 18, n. 2, p.167-18, Abr. 2005.

VALENTIM, E. A.; ALMEIDA, C. C. B.; TACONELI, C. A.; OSÓRIO, M. M.; SCHMIDT, S. T. Fatores associados à adesão à alimentação escolar por adolescentes de escolas públicas estaduais de Colombo, Paraná, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 10, 2017.

WORLD FOOD PROGRAM (WFP). State of School Feeding Worldwide. Canada International Development Agency; 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-01